sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

"Ao Deus de Abraão louvai"/The God of Abraham Praise

Hino que me lembra muito meu saudoso pai, com sua voz possante nos cultos da Igreja Anglicana Episcopal, daí fotografar seu primeiro hinário, o "Salmos e Hinos", o primeiro hinário do Brasil, com a data em que o adquiriu, 1933, quando tinha 20 anos.







Sua carteira profissional , emitida seis meses
após ter adquirido seu hinário.

__________________________________________





Ao Deus de Abrão Louvai
Letra: Thomas Olivers (1725-1799)
Música: Melodia Tradicional Judaica
Este hino consiste nas estrofes 1, 2 e 12 da paráfrase de Thomas Olivers sobre os treze princípios fundamentais da fé de Israel. Os Treze Credos ou Artigos da Fé foram escritos por Daniel Judah de 1396 a 1404 e eram cantados pelos judeus no início do serviço de culto matutino e final de culto vespertino na sinagoga.
Josiah Miller, no seu “Singers and Songs of the Church” 1869, diz: “O filho de um velho ministro Wesleyano disse há poucos anos: ‘Lembro-me que meu pai contou-me que estava uma vez parado no corredor da “City Road Chapel”, durante uma conferência no tempo de Wesley, e Thomas Olivers, um dos pregadores chegou-se a ele e disse: “Dê uma olhada nisto; eu o traduzi do Hebreu, dando-lhe, tanto quanto possível, um caráter espiritual, e Leoni, o judeu, deu-me uma melodia de sinagoga que combinasse com o texto; aqui está a melodia que deverá ser chamada Leoni’.”
Olivers ficou órfão com quatro anos de idade, de forma que recebeu pouca educação. Tornou-se um aprendiz de sapateiro em 1743, viveu uma vida sem Deus, converteu-se com uma pregação de George Whitefield sobre o texto: “Não é este um tição tirado do fogo?” Zacarias 3:2, e após pagar todas as suas dívidas, tornou-se um pregador Wesleyano. Viajou cerca de 100.000 milhas a cavalo durante os 25 anos em que pregou na Inglaterra e Irlanda.
Quando Henry Martyn estava para embarcar para o seu trabalho missionário no Oriente, escreveu em seu Diário: “Algumas vezes estive muito ocupado em aprender o hino ‘Ao Deus de Abrão Louvar’: tão logo eu pude sentir a realidade das palavras desse hino minha mente ficou aliviada. Há algo peculiarmente solene e tocante para mim neste hino, especialmente nesta ocasião.”
Existem poucos hinos tão escriturísticos em cada linha. A música tem grande dignidade e solenidade. O hino não deve ser cantado tão rapidamente, mas, com andamento lento e solene.
De Música&Adoração
_____________________


Letra: Atribuída a Daniel ben Judah, um juiz em Roma, por volta de 1400. Parafraseada por Thomas Olivers(1725-1799), por volta de 1765; publicada pela primeira vez em The Gospel Magazine (A Revista do Evangelho), em abril de 1775.
Título Original: The God of Abraham Praise
Música: Melodia Tradicional Judaica, publicada no Sacred Harmony (Harmonia Sacra), em 1780.
Texto Bíblico: Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos olhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é o meu nome eternamente, e este é o meu memorial de geração em geração. (Êxodo 3:14 e 15)

Este hino consiste nas estrofes 1, 2 e 12 da paráfrase de Thomas Olivers sobre os treze princípios fundamentais da fé de Israel. Os Treze Credos ou Artigos da Fé foram escritos por Daniel Judah de 1396 a 1404 e eram cantados pelos judeus no início do serviço de culto matutino e final de culto vespertino na sinagoga.

- See more at: http://musicaeadoracao.com.br/35213/historias-de-hinos-do-hinario-adventista-011/#sthash.uxaMf2X9.dpuf

_________________________________________


Pelo coral da Catedral Evangélica de São Paulo

https://www.youtube.com/watch?v=MHWvqAl_-iA

2 comentários:

  1. O hino em questão é o no. 4 no Cancioneiro Salvacionista.

    ResponderExcluir
  2. Também temos ele no Hinário Episcopal

    ResponderExcluir